...
...

Neste artigo ” Edema de membro inferior o que fazer” vamos falar sobre um tema  recorrente na atividade médica e com grande volume de atendimentos. Iremos abordar  os principais pontos.

 
A  definição de edema é muito simples. Consideramos edema o líquido no espaço intersticial. E, no dia a dia, o edema é algo muito presente: basta olhar para o lado nas ruas, que você vai ver alguém com uma “perna inchada”. 
 

O edema pode ser generalizado ou local. Em algumas ocasiões , surge abruptamente, provocando nos pacientes a queixa de que o membro inchou repentinamente. Com maior frequência, o edema desenvolve-se insidiosamente, iniciando-se por ganho de peso, olhos inchados ao despertar pela manhã e sapatos apertados no final do dia. O edema de desenvolvimento lento pode tornar-se maciço antes de os pacientes procurarem atenção médica.

Edema de membro inferior na abordagem prática você deve diferenciar em mais de 72horas e menos de 72h. Nos casos mais agudos ficamos com as patologias mais comuns : Infecção , trauma, TVP e inflamação local. Nos casos crônicos temos como patologias mais comuns: Insuficiência venosa crônica linfedema, limpedema, doenças renais, hepaticas e alterações proteicas.

Fisiopatologia se resume a basicamente:

Aumento da pressão hidrostática capilar

Diminuição da pressão oncótica plasmática

Aumento da permeabilidade capilar

Obstrução do sistema linfático[/vc_column_text][vc_empty_space][vc_column_text]

EXAMES

A grande parcela dos pacientes com edema generalizado, devem-se solicitar os seguintes exames subsidiários: hemograma, eletrólitos séricos, ureia, creatinina, função hepatica , proteínas séricas e análise da urina (especialmente se for observada a presença de proteína e hematúria microscópica). Deve-se realizar outros exames com base na causa suspeita, um exemplo BNP para presunção de insuficiência cardíaca ou dímero D para suspeita de embolia pulmonar ou Tvp recorrente com objetivo de excluir.

Os portadores de edema isolado de membro inferior devem ser habitualmente submetidos à ultrassonografia para excluir obstrução venosa, TVP entre outras causas como síndrome da pedrada de caso de lesão muscular na panturrilha.

O sinal de Stemmer: Não pinçamento da pele do dorso do segundo dedo do pé é característico da patologia dos linfedemas.

Tratamento

O tratamento deve ser individualizado para cada causa.

 

Pacientes com retenção de sódio geralmente obtêm benefício com a restrição dietética de sódio. Os portadores de insuficiência cardíaca devem eliminar o sal do preparo dos alimentos e à mesa, além de evitar alimentos com acréscimo de sal.

Os pacientes com cirrose ou síndrome nefrótica avançada, com frequência, exigem restrição mais intensa de sódio ( 1 g/dia).

Pontos finais:

O edema pode ser decorrente de processo generalizado ou local

Entre as principais causas de edema generalizado estão as doenças crônicas do coração, do fígado e dos rins.

O início súbito deve deflagrar avaliação imediata.[/vc_column_text][vc_empty_space][vc_empty_space][vc_column_text]Agora que está sabendo todos os detalhes de edema de membro inferior queremos te convidar a ler este artigo para se aprofundar no assunto de professores da universidade de Stony Brook

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7536506/

Autor: Ítalo Abreu

httpshttps://mundovascular.com.br://mundovascular.com.br

Newsletter

Assine nossa newsletter para receber conteúdos exclusivos da Nova Medicina